top of page

Patrocinadores

WhatsApp Image 2020-06-20 at 19.43.01.jp
  • Foto do escritorJota Jorge

Música de hoje e sempre - "Alone Again" (Naturally), de Gilbert O'Sullivan

Gilbert O'Sullivan foi um dos grandes nomes da música internacional nos anos 70. E em 1972 lançou uma música que viria a se tornar seu maior sucesso. "Alone Again" (Naturally) foi um sucesso gigantesco. Só nos Estados Unidos, foram mais de 2 milhões de cópias. Esse irlandês acabou sendo a bola da vez quando do lançamento dessa música. Melodia sofisticada e uma letra tocante fizeram de "Alone Again" (Naturally) uma música inesquecível. Obrigatória nas rádios na época, vale a pena conferir aqui o clipe original. "Alone Again" (Naturally) merece estar na galeria de "Música de Hoje e Sempre"! Confira!

Sozinho de Novo, Como Sempre


Daqui a pouco

Se eu não estiver me sentindo menos que amargurado

Eu prometi a mim mesmo, me tratar

E visitar uma torre próxima

E subir para o topo

E me jogar

Mostrar pra quem quiser saber

Como é quando você está acabado

Deixado em apuros

Em uma igreja onde as pessoas estão dizendo

Meu Deus, isso é difícil, ela não veio se encontrar com ele

Não faz sentido ficarmos aqui

Podemos ir para casa também

Foi o que eu fiz

Sozinho de novo, como sempre


Pensar que ontem mesmo

Eu estava contente, radiante e alegre

Louco para que chegasse o dia

Mas quem não estaria o papel que eu estava pra fazer

Mas, como num golpe para me derrubar

A realidade apareceu

E sem muita cerimônia, com um mero toque

Me deixou em pedacinhos

Deixando-me a duvidar, sobre Deus e Sua piedade

Pois se ele realmente existe

Por que Ele me abandonou?

Na hora que eu mais precisei dele

Eu estou mesmo

Sozinho de novo, como sempre


Parece que existem mais corações

Partidos no mundo que podem ser consertados

Desamparados, o que faremos?

O que faremos?


Sozinho de novo, como sempre


Olhando para trás, para os anos que se passaram

E seja lá o que mais apareça

Eu lembro que chorei quando meu pai morreu

Desejando nunca ter que esconder as lágrimas

E aos sessenta e cinco anos

Minha mãe, Deus a levou

Não consegui entender por que o único homem

Ela sempre amou tinha sido levado

Deixando-a recomeçar, com um coração muito despedaçado

Apesar do meu incentivo

Nenhuma palavra nunca foi dita

E quando ela faleceu

Chorei e chorei o dia inteiro

Sozinho de novo, como sempre

Sozinho de novo, como sempre

19 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page